divindade jaz em mim

quando nasci, estava em mim.
quando dei por mim, a perdi!
que saudade do jasmim…

ah, deuses clandestinos de mim…
tão ídolos, desnutridos,
reivindicam grandeza sem fim.

mas com a fé, invertida,
desacreditada depois de crescida,
não tive alternativa:

subverti.

(ASM)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s